04 agosto 2013

entra e sai

as palavras nunca me foram tão voláteis;
faço delas a minha culpa e desculpa,
tu, que te transformaste em palavra apenas, vens e vais, entras e sais da minha boca sincopadamente - tal e qual publico e 'despublico' aqui.
nunca percebi os nossos movimentos,
somos feitos de notas apenas; não há, apesar da sintonia, partitura que nos sirva;
cada palavra tua são dissonâncias no meu coração.
tinha razão em temer o rio, 
as palavras mordem. 

Sem comentários:

Enviar um comentário