19 agosto 2013

ignorância

não te condenes.
como poderias tu adivinhar-me o coração?

o rio nunca nos há-de esquecer, e a cada vulto que aviste procurará os nossos rostos. em vão.



Sem comentários:

Enviar um comentário